ASSINE O NOSSO:
 
globe.png
 
Especialistas Mundiais na
Cadeia de Suprimentos de
Produtos de Base Florestal

mail.pngtwitter.pnglinkedin.pnglinkedin-slide.png

Encontre-nos no Twitter:
@forest2marketdobrasil
@forest2market

Postagens Recentes

Se inscreva para receber atualizações por e-mail

MONITORAMENTO DE MERCADO

Avanços do segmento de celulose em 2018

Posted by Marcelo Schmid on 2 Março 2018

Não é novidade para ninguém que o segmento de celulose e papel brasileiro foi o principal driver de expansão de nosso setor nos últimos 15 anos. Atualmente, cerca de 70% das florestas plantadas em nosso país são direta ou indiretamente ligadas ao segmento. Atualmente, conforme já destacado em artigos anteriores, o mercado nacional de celulose vive um momento interessante, alavancado pela crescente demanda internacional.

O ano de 2018 começou quente para o mercado nacional de celulose com notícias de movimentações de diversos dos principais players de mercado:

Fibria: em dezembro de 2017, a Fibria inaugurou seu terminal intermodal em Aparecida do Taboado, Mato Grosso do Sul. Assim, a empresa conseguiu unir os transportes rodoviário e ferroviário visando escoar a sua produção dDI landing area.jpga fábrica em Três Lagoas (MS) até o terminal portuário de Santos (SP), de onde a celulose é exportada para outros países.

Ainda na área logística, empresa investiu em outra estratégia para reduzir custos, agora na fábrica em Jacareí (SP). A empresa adquiriu novas máquinas para reduzir o consumo de combustível e também alterou seu pátio de toras, aumentando a altura das pilhas de madeira e inserindo um novo sistema de limpeza dos caminhões, reduzindo o tempo de permanência dos caminhões no pátio. Com isso, a empresa conseguiu reduzir em 2% seus custos no pátio de madeira, além de garantir maior segurança aos trabalhadores.

Lwarcel: o grupo Lwart está vendendo parte de seu controle da empresa Lwarcel em Lençóis Paulista (SP). Até o momento sabe-se que a Suzano, a Arauco e empresas da Ásia e Europa já fizeram propostas.

Suzano: em fevereiro deste ano, a empresa adquiriu todas as ações da Mucuri energética, localizada em Minas Gerais. Esta empresa é possuidora de uma pequena central hidrelétrica (PCH) com capacidade instalada de 19MW. 

Klabin: a empresa terá um novo ciclo de crescimento iniciando em 2018, com a compra de duas máquinas (uma kraftliner e uma máquina de cartões) e ainda pretende iniciar uma nova linha de produção de celulose fluff.

Cenibra: A empresa possui uma fábrica em Belo Oriente (MG) que está operando em capacidade total. Há anos a empresa vem falando em expansões, porém aguarda a liberação de aquisição de terras por estrangeiros para levar seus planos adiante. Enquanto isso não ocorre, no ano passado a empresa investiu em melhoria dos processos de produção, superando sua capacidade prévia e, além disso, anunciou que pretende ampliar sua capacidade de produção em 100 mil toneladas ao ano.

Somado a essas notícias, a Forest2Market do Brasil previu no início deste ano que teremos uma notícia “bombástica” no segmento de celulose, pelo anúncio da instalação de uma nova fábrica de celulose, uma vez que diversos players nacionais e internacionais estão se movimentando para aproveitar o momento positivo do mercado e cravar a pedra fundamental de mais uma fábrica de celulose naquele que é hoje o melhor site do mundo para isso: o estado de Mato Grosso do Sul.

 Saiba mais sobre os produtos e serviços da Forest2Market do Brasil

Topics: Celulose, setor florestal brasileiro

mail.pngtwitter.pnglinkedin.pnglinkedin-slide.png